Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 (99)99153-8096

Encontre o que deseja

<
NO AR

Rádio FM Esperança

    Brasil

Pesquisa revela que 536 mulheres foram agredidas por hora em 2018

Publicada em 26/02/19 as 10:01h por Rádio FM Esperança - 16 visualizações

Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Rádio FM Esperança)

Estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que 52% das vítimas não buscaram apoio de família, amigos ou autoridades após sofrer a violência

Pesquisa mostra que 12,5 milhões de mulheres sofreram ofensas verbais em 2018









Um estudo realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que 536 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora no último ano no Brasil. A pesquisa "Visível e Invisível - A Vitimização de Mulheres no Brasil, divulgada nesta terça-feira (26), revela também que a maioria das vítimas (52%) de violência doméstica não buscou apoio de famílias, amigos ou autoridades após sofrer a violencia. 

A pesquisadora do fórum, Cristina Neme, afirma que apesar dos avanços na legislação, os índices de violência contra a mulher permanecem altos. "O país avançou na legislação, há uma história de avanços, apesar dos retrocessos. No entanto, o padrão da vitimização ainda é alto", diz a especialista.

De acordo com o estudo, 12,5 milhões de mulheres sofreram ofensas verbais, como insulto, humilhação ou xingamento, 4,6 milhões (nove por minuto) foram tocadas ou agredidas fisicamente por motivos sexuais. E 1,6 milhão (três por minuto) sofreram tentativas de espancamentos ou estrangulamento.

Na grande maioria dos casos, o perigo está dentro de casa. A análise de especialistas sobre mulheres vítimas de violência doméstica é endossada pelos números. O estudo aponta que 76,4% das mulheres que sofreram violência afirmam que o agressor era alguém conhecido. "A pesquisa confirma que os agressores estão no ciclo familiar, os estudos da área de saúde também mostram isso. Esse é um padrão de comportamento de pessoas conhecidas, que têm intimidade com as vítimas."

O número revela um crescimento de 25% em relação ao ano de 2016, quando 61,2% das mulheres afirmaram conhecer o agressor. Em 23,8% dos casos, o agressor é o cônjuge, companheiro ou namorado, em 21,1% das ocorrências quem violenta a vítima são os vizinhos e em 15,2% dos registros o agressor é o ex-cônjuge, ex-companheiro ou ex-namorado. 

Dificuldade em notificar e denunciar

Apesar do elevado número de casos de violências contra a mulher, as vítimas ainda enfrentam dificuldades para denunciar os casos. Apenas 10,3% procurou uma delegacia especializada, 8% buscou uma delegacia comum, 15% procurou ajuda da família e 52% não fez nada. Os números mostram também que 42% das agressões ocorrem em casa, 29% nas ruas, 8% na internet, 8% no trabalho e 3% no bar ou em baladas.

A dificuldade em se notificar é, segundo Cristina, um problema que persiste ao longo dos anos. "Desde os casos menos graves até os mais graves, agressões com o uso de armas. Menos de 20% das vítimas buscam as delegacias", diz. "É preciso implementar a legislação e ampliar o atendimento de proteção: desde o encaminhamento às assistências de saúde, garantia de abrigos até a garantia das medidas protetivas na Justiça."






ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário

Nosso Whatsapp

 (99)99153-8096

Visitas: 19336 |  Usuários Online: 14

JESUS CRISTO - Todos os direitos reservados