Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 (99)99153-8096

Encontre o que deseja

<
NO AR

Rádio FM Esperança

    Brasil

Grupo de “evangélicas” criam frente pela legalização do aborto no Brasil

Publicada em 20/02/19 as 10:28h por Rádio FM Esperança - 14 visualizações

Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Rádio FM Esperança)

Um grupo de mulheres denominado “Frente Evangélica pela Legalização do Aborto” chamou atenção ontem, após a publicação de uma reportagem em um grande veículo de comunicação, destacando os argumentos apresentados por algumas jovens que se apresentam como evangélicas defensoras do aborto.

“Legalizar o aborto é compreender que a vida precisa ser preservada”, declarou Camila Mantovani, de apenas 24 anos, apresentada como uma das fundadoras do movimento que, possivelmente, possui a influência de mulheres mais velhas atuando nos bastidores como mentoras do grupo.

A afirmação surpreendentemente contraditória de Mantovani não é por acaso, pois segundo os argumentos feministas reproduzidos pelo grupo, o único ser vivo digno de ser preservado durante a gestação é a mulher, e não também o bebê.

“A legislação que temos hoje sobre o tema potencializa a morte. Ela não impede que aconteçam abortos e ainda mata mulheres. Queremos uma fé que dialogue”, acrescentou a jovem, segundo o G1. “Compreendemos a importância de nos organizarmos e mostrarmos que o campo religioso e, especificamente o evangélico, é muito diverso no país”.

O deus-Estado

Seguindo o roteiro de argumentos bastante conhecido por se tratar de uma pauta feminista antiga, Mantovani segue explicando que a intenção da Frente Evangélica pela Legalização do Aborto é lutar pela conquista de direitos, incluindo o de matar bebês no ventre materno com base na fé em Jesus.

“Fazemos isso com base na nossa fé em Jesus Cristo”, disse ela, referindo-se à luta por esse direito. “Compreendemos que ninguém avança em garantia de direitos nesse país se a disputa de consciência não for travada no campo religioso”.

Isto é, Mantovani explica que é preciso trazer o debate acerca da legalização do aborto para dentro das igrejas (“campo religioso”), o único local onde a vida é tratada como valiosa desde a concepção, indicando que, segundo a Bíblia, o ser humano é pessoa desde o ventre materno.

Entretanto, para fazer valer os “direitos” de – algumas – mulheres, incluindo o de abortar, fomentando assim este pensamento, a estratégia do grupo é fazer parecer que não há um debate de caráter bioético, filosófico, teológico (doutrinário), de responsabilidade pessoal diante do próprio ato sexual e também espiritual em questão, mas sim e, meramente, de políticas públicas, Estado laico e saúde reprodutiva.

“Se o senado fosse composto majoritariamente por mulheres, o aborto já tinha sido legalizado. A mulher quer e deve decidir sobre o seu corpo, mas o machismo enraizado cria limitações”, declarou outra integrante do grupo, Thamires Moreira, de apenas 21 anos.

Thamires analisa a questão do aborto sob à perspectiva de políticas públicas, enfatizando a diferença de classes sociais como um dos grandes problemas. “O aborto só está matando a mulher pobre, já que mulheres de todas as classes fazem, porém a diferença social faz com que a rica tenha acesso a uma boa clínica clandestina e a pobre não”, disse ela.

Finalmente, Thamires defende o que pode ser considerado a supremacia do Estado sobre a doutrina e ética cristãs, ao invocar o “livre arbítrio” e o afastamento da igreja da vida política para justificar o direito de poder abortar, como se tal liberdade concedida por Deus não implicasse em consequências físicas, morais (psicológicas) e espirituais, decorrentes dos erros humanos, e como se a instituição religiosa não fosse também uma parte da sociedade capaz de lhe influenciar politicamente.

“Muitas pessoas podem achar que é uma contradição eu ser cristã e a favor da legalização do aborto, mas eu vejo por outro lado. Se na Bíblia está escrito que só Deus pode tirar e dar a vida às pessoas, lá também diz que temos livre arbítrio. Além disso, o Estado é laico, então a religião não deve interferir em decisões que são para todos”, disse ela.






ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário

Nosso Whatsapp

 (99)99153-8096

Visitas: 19325 |  Usuários Online: 3

JESUS CRISTO - Todos os direitos reservados